Brasil

Publicitários acreditam em um semestre de otimismo cauteloso

FONTE: PROPMARK

Eventos concentrados num curto espaço de tempo, como Black Friday, Copa do Mundo e Natal, animam, mas eleição polarizada preocupa

    “Será tudo, menos monótono”, assim Mário D’Andrea, presidente da Abap (Associação Brasileira de Agências de Publicidade) e CSO da D’OM, resume o que o mercado publicitário e os brasileiros em geral podem esperar dos próximos meses até o fim do ano. “Tudo indica que o segundo semestre será muito movimentado no Brasil. Então, se você gosta de rotina e calmaria, é melhor pular o semestre e só voltar no ano que vem”, complementa.

     

    É uma visão partilhada por diversos profissionais ouvidos pelo PROPMARK sobre as perspectivas do semestre que se inicia. Para começar, concordam todos, será um período atípico, “o segundo semestre deste ano será marcado por dois importantes acontecimentos que devem impactar não somente o a indústria publicitária, mas também o mundo dos negócios. As eleições, em outubro, e a Copa do Mundo, entre novembro e dezembro, possuem certas similaridades. Ambas terão um grau de paixão envolvida, mas obviamente de maneira diferente. Haverá uma concentração grande da atenção da população e um alto grau de expectativa pelo resultado final.

     

    No caso das eleições, no cenário atual, onde vemos uma clara polarização, o embate de narrativas, inclusive emocionais, já ocorre de maneira intensa nas redes sociais. Acredito que até as eleições haverá ainda uma predominância das atenções para este evento”, diz Márcio Toscani, co-CEO e COO da Leo Burnett TM.

     

     

    A perspectiva positiva citada por todos estará concentrada nos dois últimos meses do ano, que terão a Black Friday, a Copa do Mundo e o Natal. Pela primeira vez na história realizada no fim do ano, a Copa será realizada entre a semana da Black Friday – que se consolidou como uma das principais datas de vendas do varejo – e o Natal.

    “A perspectiva para o segundo semestre deste ano é positiva. Mesmo com as incertezas na economia, vejo que o mercado pode ser compensado por um calendário intenso na segunda metade do ano. A Copa do Mundo e a Black Friday, por exemplo, somadas com a retomada de eventos presenciais de porte nacional ou mais regionalizados, que não puderam acontecer nos últimos dois anos, são oportunidades para as marcas construírem resultados consistentes. Com todo esse cenário de possibilidades que temos pela frente, estamos otimistas com a movimentação que as marcas e o mercado publicitário estão preparando para o
    segundo semestre”, diz Eduardo Simon, CEO e sócio-fundador da Galeria.

     

     

    Opinião partilhada por Antonio Fadiga – sócio e CEO da Artplan:

     

    “Nosso mercado de comunicação deve ganhar tração nos próximos meses em razão justamente dessas novas oportunidades”. Esse otimismo também é embasado em dados já divulgados pelo Cenp-Meios, que, no primeiro trimestre deste ano, apontaram 19% de crescimento do investimento em mídia em relação ao ano anterior, lembra Daniel Queiroz, presidente da Fenapro.

     

    “Com a chegada da Copa do Mundo, o otimismo deve aflorar. E então teremos uma boa oportunidade para negócios, pois o Brasil entra em campo dia 24 de novembro, uma quinta-feira que antecede à Black Friday. Ou seja, eu acredito que novembro será um mês importante para uma retomada da força de consumo, mas essa semana, em especial, será muito estratégica”, acredita Fernando Diniz, co-CEO da DPZ&T.


    Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

    Recomendamos pra você


    Receba Notícias no WhatsApp