Maranhão

Quilombo é alvo de ataques no Maranhão: “Estão dizendo que vão acabar com a gente”

Desde a última sexta-feira (10), o Quilombo Tanque de Rodagem, em Matões, no Maranhão, está sob ataque de funcionários armados dos fazendeiros Eliberto Luiz Stein, dono da Stein Telecom, e Silvano Oliveira, empresários do Paraná que adquiriram uma área que fica dentro do território quilombola, onde pretendem investir no monocultivo de soja.

 

A acusação é dos moradores do quilombo e da Comissão Pastoral da Terra (CPT), que está no local, prestando auxílio aos quilombolas.

 

“Eles estão dizendo que vão acabar com a gente, que vão meter bala, que vão meter pancada na gente. Lá em cima tem gente em desespero já”, afirma Luanice Ribeiro, uma das lideranças quilombolas na região.

PUBLICIDADE

.

 

Segundo a CPT e os quilombolas, Stein está em Matões, coordenando pessoalmente as ações dos funcionários. No sábado (11), os fazendeiros usaram correntões para desmatar uma área dentro do Tanque de Rodagem – crime ambiental, o que revoltou os moradores do quilombo – , que decidiram fechar a rodovia MA-262, que passa em frente da propriedade (no final da matéria, galeria de imagens com fotos do uso de funcionários usando os correntões na área).

 

Com o trânsito de carros e tratores impedidos pela comunidade, os funcionários de Stein passaram a ameaçar os quilombolas.

 

“O clima está tenso, está um desespero, está a coisa mais feia que você possa imaginar. Estamos sendo ameaçados direto pelos capangas da empresa de Eliberto, tem idoso e tem crianças pelo meio. Eles estão ameaçando que hoje ainda… vai acontecer uma tragédia aqui com a gente. Eles estão ameaçando que até 18h, eles vão meter a porrada na gente, pra gente liberar a rodovia”, contou Ribeiro ao Brasil de Fato.

PUBLICIDADE

 

Tânia Ribeiro, quilombola que vive no local, relatou as ameaças, em vídeo enviado ao Brasil de Fato.

 

“Estamos sofrendo agressão por parte do fazendeiro, ele diz que comprou aqui e está nos ameaçando de morte.”

 

Advogado da CPT, Rafael Silva, que está em Matões, alerta. “De sexta para cá, a coisa tomou uma proporção que a qualquer momento pode acontecer uma tragédia lá”.

Igor Carvalho, Brasil de Fato  


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp