Brasil

Repente é registrado como Patrimônio Cultural do Brasil

Movimento artístico musical repente foi considerado pelo Iphan um patrimônio cultural importante da cena popular

A 98ª reunião do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural aconteceu na manhã desta quinta-feira (11), tendo como primeira pauta o registro do movimento repente como Patrimônio Cultural do Brasil.

O pedido de registro foi efetuado em 2013 pela Associação dos Cantadores Repentistas e Escritores Populares do DF e Entorno. O Iphan, então, autarquia federal vinculada à Secretaria Especial da Cultura e ao Ministério do Turismo, iniciou o processo de registro oficial, que inclui a reunião da documentação relacionada e registro audiovisual, produzido em parceria com o Departamento de Antropologia da Universidade de Brasília (UnB). Durante a reunião do Conselho Consultivo, os 22 conselheiros aprovaram de forma unânime o registro do repente.

Agora o repente é oficialmente um Patrimônio Cultural do Brasil. Sendo importante para a identidade cultural nordestina, é um movimento artístico musical que teve suas primeiras aparições em meados do século 19 nos estados de Pernambuco e Paraíba, segundo fontes históricas. Os registros mais antigos têm origem na Serra do Teixeira, na Paraíba.

“É um importante bem cultural que representa o Nordeste e o Brasil, então é uma grande felicidade anunciar a aprovação do registro do repente como Patrimônio Cultural”, anunciou Tassos Lycurgo, diretor do Departamento de Patrimônio Imaterial do Iphan.

“É motivo de grande alegria ter as rimas e os versos do repente adentrando o rol do Patrimônio Cultural do Brasil, tanto por sua importância histórica quanto pela beleza da poesia e da música da manifestação”, comemora a presidente do Iphan, Larissa Peixoto, que também preside o Conselho Consultivo. “O repente tem seu lar na região Nordeste e também noutras capitais como São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília para onde as migrações nordestinas legaram essa arte. É uma manifestação que se tornou uma das faces do Brasil”, conclui, em material de divulgação.

Jornalista e produtor cultural Gil Sabino e o cantor, poeta, escritor e repentista paraibano, Oliveira de Panelas.

Um dos maiores nomes da cantoria e do repente, o paraibano, Oliveira de Panelas, se diz “muito feliz com a notícia, porque já era de se esperar ha muito tempo que isso acontecesse. É provavelmente muito justo o reconhecimento da poesia que tanto encanta as populações não só do Brasil, mas do mundo. Estamos de Parabéns”, declarou.

A história de Oliveira de Panelas registra alguns discos gravados ainda no formato LP, e milhares de apresentações em todo o mundo, inclusive, tendo já cantado para o Papa João Paulo, e para o Rei Roberto Carlos, além de shows em festivais pelo Brasil e exterior. É fonte viva de cultura popular brasileira.

*Correio Braziliense/RND

 


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp