Nordeste

Revista NORDESTE: Dois experts em Ciência de Dados conquistam reconhecimento por serem vanguardas de mercados

Em entrevista à nova edição da Revista NORDESTE,  Miguel Maurício Isoni, Chairman da empresa paraibana FABWORK; e Miguel Filho, CEO da FABWORK. Experts sem ciências de dados, conversaram com o jornalista Walter Santos sobre as iniciativas para atender questões básicas da sociedade com a inteligência.

 

É possível encontrar a revista nas principais bancas e também no site da própria revista ou no Portal WSCOM  (Clique no link para acessar a edição).

Leia na íntgra:

 

O MUNDO JÁ É

FRUTO DE DADOS

A CONDUZIR VIDAS

 

Dois experts em Ciência de Dados conquistam reconhecimento por serem vanguardas de mercados

 

 

Por Walter Santos

 

A conjuntura de inovação no mundo de uma forma geral tem exigido iniciativas de vanguarda para atender questões básicas da sociedade e, em especial, do mercado. Esta essência tem gerado iniciativas de vanguarda, como da startup FABWORK conquistando mercado nacional e internacional a partir de João Pessoa/PB. Nesta entrevista o CEO da FABWORK Miguel Filho e o Chairman Miguel Maurício Isoni explicam avanços. Pela primeira vez, os novos processos abertos em São Paulo pela empresa paraibana já tem repercussão internacional.

 

Revista NORDESTE – Chegamos a 2022 desafiados em vários aspectos para atualizar estratégias em TI que, inclusive, sirva à sociedade, às pessoas e mercado. Mesmo com a realidade global quais desafios cibernéticos para um estado como a Paraíba?

Prof. Miguel e Miguel Filho – Inovação é melhorar e aperfeiçoar algo que existe, oferecendo um processo de progressão contínua baseado no resultado. A sociedade está desfrutando de grandes avanços científicos por intermédio das vacinas contra a COVID-19, traduzidas pela agilidade e otimização de processos de testes e produção oriundos de algoritmos, ciência de dados e aprendizagem de máquina. Este último é um método de análise de dados que automatiza a construção de modelos analíticos, sendo um ramo da inteligência artificial baseado na ideia de que sistemas podem aprender com dados, identificar padrões e tomar decisões com o mínimo de intervenção humana. Na Paraíba, vimos o quanto a logística de distribuição e aplicação das vacinas atenderam também o controle da estratificação da população e dos requisitos dos mais vulneráveis, tais como aqueles com comorbidades. Isto, controlado por um aplicativo disponibilizado pelo Conecte SUS. Olhando para o cidadão paraibano, o que estamos presenciando é o avanço do uso da mobilidade – leia-se smartphones – para acesso aos diversos aplicativos que facilitam a vida de todos nós. Uma diversidade de empresas sobreviveu esse período pandêmico global utilizando criatividade, liberdade e responsabilidade de seus colaboradores, adotando o modelo do trabalho remoto e reconhecendo que o importante é o valor que cada colaborador pode entregar para a organização e seu modelo de negócio. Podemos citar uma gama de empresas de base tecnológica da Paraíba que ganhou escala e mercado nesses dois últimos anos, como : (i) Menew – uma plataforma integrada de aplicações de food-servisse que permite agilizar a venda e gerir melhor o negócio com segurança e controle presente em todo território nacional; (ii) Vsoft, empresa pioneira no uso de reconhecimento facial e biometria com aplicação de inteligência artificial, também presente em vários estados brasileiros; e, (iii) FABWORK, que soube aproveitar sua expertise em Ciências de Dados e Inteligência Artificial aplicada aos desafios de negócios para conquistar grandes empresas no varejo (Leroy Merlin e Carrefour), na indústria de minério e de aço (Gerdau), na indústria de alimentos (Guaraves), na indústria de vidros (Vitrium), além de participar de projetos de análise de dados para o Ministério da Educação do Governo Federal, em parceria com o grupo de pesquisa Data Science BR.

NORDESTE – O universo de banco de dados se mantém como referência fundamental para pesquisas e até negócios, mas muitos setores ainda patinam. O que o surgimento do FABWORK tem oferecido para encarar e resolver demandas de mercados?

Prof. Miguel e Miguel Filho – A gestão de banco de dados se apresenta como um requisito básico para a condução da jornada de desenvolvimento de sistemas de tecnologia analítica. Respondendo à pergunta, nós não afirmaríamos que o cenário seja de procrastinação ou de incapacidade das organizações, que “patinam” na coleta e uso dos dados. As organizações, empiricamente, têm muita dificuldade técnica, operacional e gerencial de projetar a sua jornada de transformação digital contextualizado por um novo mercado tão mutável e surpreendente como vivenciado nesses dois últimos anos de pandemia global. Em uma jornada na qual os dados devem ser categorizados como disponíveis e acessíveis, abrem-se as oportunidades para que as empresas tenham condição de controlar seus estoques, seu fluxo de caixa, a assiduidade de seus funcionários, possibilitando uma gestão baseado em dados, assim sendo sustentada por indicadores controlados em produção por painéis de controle. Entretanto, o que ocorre é que a as empresas não apresentam domínio sobre os seus dados, assim perdendo a possibilidade de visualizar as tendências e projeções do seu mercado, pois sem dados não há uma gestão preditiva e escalonada para aplicação. Então, as perguntas que hoje deveriam estar nas pautas de reuniões corporativas, são: (1) tenho dados, o que posso fazer? (2) O que quero fazer com os meus dados é possível? (3) Como fazer? Como validar novas aplicações? E, os resultados extraídos serão confiáveis? Diante desse cenário de questionamentos no mundo corporativo, a FABWORK encontrou campo fértil para responder e trabalhar com esse cenário de incertezas e desafios, buscando no estudo e na análise dos dados, a extração de conhecimento, detecção de padrões e/ou obtenção de insights para possíveis predições e tendências, as quais são usadas para extrair significado e percepções para uma inflexão gerencial, e dessa forma extrair todo o potencial que os dados podem alcançar, com diferencial competitivo necessário para os nossos clientes.

 

NORDESTE – Quando, na sua opinião, a IA – inteligência Artificial e a Ciência de Dados deixará de ser entendida como algo complexo para fazer parte e ser encarada como parte da vida das pessoas? Diante disso, como a FABWORK se posiciona como provedora de soluções para mitigar as complexidades destas áreas do conhecimento?

Prof. Miguel e Miguel Filho – Em junho de 2018, a FABWORK entregou para a classe empresarial paraibana a formação executiva “Data Analytics para Gestores”, o que caracterizou o lançamento da primeira vertical da FABWORK: FAB Academy. Iniciamos nossa jornada de ofertas de academias na percepção de que deveríamos compartilhar conhecimento de alto nível-proprietário em nosso território da Paraíba, lançando uma metodologia acadêmica desenvolvida por nós mesmos, com cinco ações desencadeadas, tanto no lado do conteúdo e da prática (mão na massa) e dos nossos transformadores (assim chamamos os nossos professores), suportando uma proposta baseada nos seguintes princípios, denominada “IECEI”: (1) inspirar, (2) engajar, (3) conectar, (4) empoderar e (5) impactar. E, assim sendo, a nossa perspectiva na FABWORK seria, desde então, sempre a de desmistificar a Inteligência Artificial (IA) construída pela Ciência dos Dados, através do uso de ferramentas e softwares que permitam o uso de seus recursos por pessoas que não necessariamente sejam programadores. Com esse objetivo de ofertar acesso direto ao conhecimento, lançamos a nossa segunda formação executiva: a academia “Ciências de Dados para Não Programadores”, tendo como intuito mostrar aos empreendedores, executivos e gestores que a menor distância entre eles e os dados produzidos nas suas empresas é uma linha plenamente reta. Após isso, ainda lançamos, ao longo de 2019 e 2021, uma série de formações para enriquecer a alfabetização de dados, cultura e modelo mental de dados, assim nos tornamos fornecedores de empresas de grande porte, como Leroy Merlin e a Gerdau.

 

NORDESTE – Olhando para a formação das novas gerações, qual a avaliação com ranking do ensino universitário da Paraíba na disputa do mercado global?

Prof. Miguel e Miguel Filho – Somos na Paraíba um celeiro de formação de mão de obra especializada em Tecnologia da Informação. Temos as instituições públicas de ensino superior, formando bacharéis, tecnólogos, mestres e doutores, nas áreas de engenharia de software, sistemas de informação e do novíssimo e recém-lançado curso de graduação em Ciências de Dados para Negócios pela UFPB. Temos ainda instituições de ensino particular formando profissionais em TI. A Paraíba forma profissionais para o mundo colocando-os em grandes corporações como Google, Meta (ex-Facebook). Microsoft, Amazon, além de tantas outras big techs. Temos muitos talentos e temos muita história para contar em tom de orgulho para nós empreendedores. Na FABWORK, somos seletivos e nos cercamos de doutores, mestres, bacharéis e tecnólogos formados nas universidades mais bem conceituadas do Brasil. Somos a todo momento cerceados por outras organizações na tentativa de nos tirar nossos talentos, sendo que algumas poucas vezes conseguiram, mas devido a nossa trajetória de crescimento e valorização de nossos colaboradores temos conseguido sobreviver nesse cenário de procura de especialistas. O mercado de trabalho na área de tecnologia e afins vem crescendo vertiginosamente nos últimos anos. A escassez de mão de obra ligada à tecnologia é um problema que aflige não só o Brasil, mas todo o mundo. Exemplo disso é que tem sido uma tendência as multinacionais buscarem profissionais de tecnologia no Brasil, adotando naturalmente o trabalho de modo remoto. Acreditamos que hoje vivemos “a briga” pela retenção de talentos, assim nos tornando empreendedores ávidos pela gestão da mudança em prol da reestruturação de nossas áreas de gestão de talentos com geração de melhorias em nossos planos de carreiras e benefícios aos colaboradores.

 

NORDESTE – Quais as demandas mais frequentes na conjuntura atual da FABWORK?

Prof. Miguel e Miguel Filho – Na FABWORK, trabalhamos com três verticais de serviços: FAB Academy, FAB Corporate e FAB Tech. Com o nosso pragmatismo e na busca de oportunidade sabemos que as empresas procuram inovar digitalmente sem saber como começar. Diante desse cenário, a FABWORK está posicionada na oferta robusta de suas três verticais. Primeiro, FAB Tech: vertical de desenvolvimento de soluções exponenciais e customizáveis de tecnologia com foco em soluções com Inteligência Artificial, Big Data Analytics e Internet das Coisas (IoT). Segundo, FAB Corporate: vertical de desenvolvimento de programas de educação corporativa e mentoria técnica com foco em transformação digital, inovação de impacto e ciência de dados. E, FAB Academy: vertical com um conjunto de academias (cursos rápidos e práticos) com foco no desenvolvimento de soft/hard skills para formar profissionais exponenciais (Profissional 4.0). Nossas verticais estabelecem compromisso em participarmos de forma ativa, ao longo da construção da jornada de transformação digital e analítica do nosso cliente. Para tanto, alocamos a priori uma equipe multidisciplinar que participa com o cliente e seus líderes, por cinco dias ininterruptos, idealizando, co-criando e desenvolvendo de forma colaborativa um desenho da solução digital e de dados para resolver o problema real pré-definido. E, assim, validando o fluxo de dados, mapeando a jornada tecnológica, o uso de design e de ciência de dados, produzimos uma solução inicial denominada: Data-Digital Design Sprint. Esta abordagem é fruto do método Design Sprint, criado pelo Google, que permite a validação de processos e detecção de arestas validadas com experimentos preliminares face aos usuários do produto, gestores e tomadores de decisão, que participam ativamente na expectativa com plano de ações do desenvolvimento da solução final pela FABWORK e nossas verticais de serviços.

NORDESTE – Do ponto-vista de estruturação mercadológica da IA, como o mercado tem apostado corretamente na área de TI há tempo com o C de Comunicação?

Prof. Miguel e Miguel Filho – Bem-vindo a era da IA Comunicacional. Foi assim que a FABWORK começou a ver que o campo de atuação da TI poderia incrementar com o C da comunicação de dados produzida ao longo da jornada de clientes de marcas e produtos diversos. Na vertical de serviços FAB Tech da FABWORK, desenvolvemos a spin-off NEORON, que se tornou uma nova empresa focada na entrega de uma Plataforma Studio de IA comunicacional-conversacional, tendo como objetivo central entregar a melhor experiência conversacional da jornada de consumo de usuários da informação. Com a tecnologia da NEORON, seguindo uma experiência de desenvolvimento em ambiente de studio, ofertamos uma série de ferramentas para criar, exibir, capturar dados, além de treinar e performar o seu assistente virtual (chatbot). O uso da NEORON exige uma baixa curva de aprendizado, sendo 100% no-code, com uma navegação guiada por uma interface de cartões (cards), inspirada no método “Kanban”. A NEORON é ágil, simples e prática para a criação de assistentes virtuais, podendo ser publicado em diversos formatos para os canais Web e WhatsApp. O público-alvo da NEORON, em um modelo de negócio B2B (business-to-business), baseado em assinatura mensal pelo uso da licença do studio, reúne clientes empresas com negócios em diversos segmentos, como farmacêutica (Gilead Sciences – 12ª maior farmacêutica americana), governo (MEC – Ministério da Educação), laboratório (Hemato), clínicas e hospitais, além de incorporadoras. A diversidade criativa da NEORON ao aplicar a IA no campo da Comunicação e do entretenimento se estendeu em 2021, quando lançamos o chatbot da vencedora do Big Brother Brasil, Juliette, cujo seu time de marketing digital criou o assistente virtual E-Cacto, se tornando até matéria na Rede Globo da Paraíba.

 

NORDESTE – Como uma empresa paraibana no nível da FABWORK se estabelece em São Paulo, maior centro nacional, e já é atraída por multinacionais. Quem são essas marcas e o que vocês entregam?

Prof. Miguel e Miguel Filho – Ao longo desses três anos e meio de operação, a FABWORK se propôs a ajudar as empresas e os seus profissionais – “tomadores de decisões”, a olhar para dados, legados e proveniente de seus sistemas funcionais e convencionais, isto é, suas próprias bases de dados, incluindo informações conjunturais de bases externas, para melhor construir cenários e suporte a planos e projetos de predição. Assim conquistamos o maior varejista supermercadista do Brasil, a francesa Carrefour, ao liderar um projeto para determinar quais os dados seriam necessários para responder avançar o modelo de um algoritmo complexo com informações socioeconômica e geográfica que norteassem o Carrefour quanto à expansão do modelo de lojas físicas “”Carrefour Express”. Assim, ao mostrar competência e conhecimento no uso dos requisitos da Ciência dos Dados, conquistamos depois a Gerdau, onde montamos o programa “G-Data” (em 2022, iniciaremos a 3ª edição anual). E, da mesma forma, conquistamos a Leroy Merlin, com o programa “Elite de Dados”, no qual a empresa pretende capacitar 10 mil colaboradores brasileiros para trabalhar com “dados. A FABWORK busca na prática apoiar a construção de projetos data-driven de transformação digital de executivos, gerentes, engenheiros e gestores responsáveis por processos críticos em suas respectivas áreas de negócios. Assim, chegamos em São Paulo em janeiro de 2022, convidados pela Inovabra Habitat, ecossistema criado pelo Bradesco, onde participam 200 startups apoiadas por mais de 75 corporações. A FABWORK tornou-se a primeira Startup Paraibana com assento e participação como empresa residente no INOVABRA. São Paulo sempre foi nosso destino, visto que o nosso CEO, Miguel Isoni Filho, conhece bem São Paulo, tendo sido um dos mais jovens professores da Universidade Mackenzie, entrando para seu corpo docente com 24 anos, recém-saído do mestrado na UFPB, para assumir as disciplinas de Econometria, Estatística, Sistemas de Informação e Empreendedorismos para os cursos de Administração e Economia da Mackenzie. Foi em São Paulo, no ano de 2015, que Miguel Filho cofundou a sua primeira startup em Inteligência Artificial, sendo contratado para desenvolver soluções de dados para TIVIT, KPMG, Banco 24h, Cielo e Banco Cetelem. Ao retornar para Paraíba, em 2018, Miguel Filho cofundou a FABWORK com o seu pai, Professor Doutor Miguel Maurício Isoni, assim juntos, ao longo dos últimos anos, conseguiram empreender montando uma equipe de alto nível em Ciências de Dados e Inteligência Artificial. Em 2019, como menos de 1 ano de existência a FABWORK foi contemplada com o selo Intel para Empresas de Excelência em Inteligência Artificial, sendo um processo longo e crítico que validou a qualidade da produção da FABWORK quanto ao grau de desenvolvimento, de originalidade e conhecimento técnico em Inteligência Artificial. A FABWORK reuniu conquistas e reconhecimentos baseados em entregas sólidas que, nos permite estarmos em São Paulo, e em breve internacionalizando nossas operações.

 

NORDESTE – A expansão da informação nas redes sociais não elimina a necessidade permanente de veículos/plataformas oferecendo conteúdo de qualidade para descomplicar a grande massa de leigos interessados em conhecer esses cenários. Como, por exemplo, a FABWORK pode enxergar as bases de dados e conhecimentos gerados pela WSCOM e Revista NORDESTE na solução dessa descomplicação?

Prof. Miguel e Miguel Filho – Um dos objetivos da ANJ – Associação Nacional de Jornais, que representa as empresas jornalísticas na defesa de seus legítimos interesses, contribuindo para que a mídia jornal possa se desenvolver em seus mais diversos aspectos -; e da Aner – Associação Nacional dos Editores de Revista, é criar condições para a construção de oportunidades que permitam os jornais e revistas locais e regionais aperfeiçoarem suas práticas e estratégias on-line, pauta de uma contemporaneidade inadiável. Esse programa é de interesse do Facebook, que através do projeto Meta Journalism Project trabalha com editores no mundo todo para fortalecer a conexão entre jornalistas e as comunidades em que eles atuam. O objetivo do programa é ajudar o setor de notícias a enfrentar os principais desafios de negócios por meio de treinamentos, programas e parcerias. O programa também ajuda o setor de notícias a enfrentar a transformação digital, incentivando a criação de comunidades de editores e treinando as salas de redatores a usarem os recursos das redes sociais. O projeto Meta Journalism Project, juntamente com o ICFJ – International Center for Journalists – busca combater a desinformação, promover a literacia midiática, patrocinar novas iniciativas, compartilhar melhores práticas e aprimorar o jornalismo nas plataformas. Portanto, podemos responder que “a expansão da informação nas redes sociais não elimina a necessidade permanente de veículos e plataformas que ofereçam conteúdo de qualidade” e de referência, como é o caso da Revista Nordeste, que completou 15 anos de serviços prestados com jornalismo e conteúdo de alto nível. Uma das primeiras oportunidades que a FABWORK pode enxergar as bases de dados e conhecimentos gerados pela WSCOM e Revista NORDESTE é a aplicação da tecnologia baseada em wiki, que é uma página web que permite sua alteração por pessoas que tenham permissão para acessar a página e, assim, ocorra o trabalho colaborativo, como por exemplo, na construção de uma matéria jornalística. Entendemos que o conhecimento dos dados textuais são importantes fontes de informação proveniente da “extração de entidades e modelagem de associações”. As entidades nomeadas poderão identificar pessoa, local, data, palavras, frases, títulos, fotos, ilustrações, gráficos, resumos, entre outras, dentro de textos. A associação permitiria encontrar similitudes do discurso e das ideias. Esses métodos fazem uso de técnicas provenientes do Processamento de Linguagem Natural e de Aprendizado de Máquina, os quais a FABWORK domina. Esses métodos poderão contribuir para a Revista Nordeste, e seus leitores, na busca de referência e no conjunto de fatos e de conteúdos relatados e publicados nesses 15 anos de sua profícua existência. Claro, a partir de seu acervo digitalizado. E, assim, pela reputação da Revista Nordeste, sua penetração na região e seu legado qualificado para que o brasil desfrute de seu acervo, a FABWORK poderá com sua tecnologia aplicada a ciência dos dados descortinar a busca textual e a possibilidade de predizer cenários possíveis. Ainda, quanto à spin-off da FABWORK, a NEORON, destacamos a versatilidade da sua plataforma-studio que pode agregar com uma comunicação inteligente e assistida, assim automatizando o atendimento de assinantes ou de interessados com jornada de informação assertivas quanto ao posicionamento de “pílulas de conteúdo” que promovam releases de materiais que serão produzidos nas próximas edições, estabelecendo assim um antecipado interesse do leitor em ter acesso a material completo, como também pode referenciar o que já foi publicado, permitindo com um hiperlink recuperar a informação. São muitas as possibilidades que poderiam ser construídas pela FABWORK e a Revista NORDESTE, sendo o início de tudo poderia ser guiado, em seus primeiros passos inspiradores e exploratórios, pelo serviço da FABWORK denominado: Data-Digital Design Sprint – assim, validando o fluxo de dados, mapeando a jornada tecnológica, o uso de design e dados, produzindo soluções para a Revista NORDESTE.

 

NORDESTE – Objetivamente, quais são os futuros desafios prementes previsíveis da FABWORK para expandir a marca e gerar mais negócios pelo Brasil e mundo?

Prof. Miguel e Miguel Filho – O desafio sempre será de manter o compromisso da qualidade, pontualidade e entrega de valor para os nossos clientes. Crescer sem desgarrar de nossa missão: “viabilizar a transformação digital através do desenvolvimento tecnológico e de capacitações customizadas no campo da ciência de dados”. Por estar entregando o “estado da arte” em nossas três verticais de serviços, continuaremos com nossos trabalhos comerciais para conquistarmos novos clientes no Sul e Sudeste do Brasil. E, agora com nosso escritório físico em São Paulo, como startup residente na Inovabra Habitat, a logística do nosso CEO Miguel Isoni Filho ficará ainda mais flexível, podendo assim pensar além da cidade de São Paulo. Para fora do Brasil, há mais de um ano, mantemos contato com uma empresa de software da Polônia, onde surgiu o interesse de estabelecermos uma parceria em soluções em Big Data, IA e Data Science. Neste presente momento, a nossa Head de Marketing, Gabriela Chaves, se encontra em Lisboa e a sua presença conta com a atividade da exploração de contatos estabelecidos com importantes representantes do ecossistema de inovação de Portugal, já é o prenuncio de nossa previsível chegada ainda em 2022. De Lisboa para o Porto, e de lá para Madrid e Barcelona: esse é o nosso planejamento de internacionalizar a FABWORK e a NEORON em cenário paralelo.

 

 

Conheça a FABWORK – startup paraibana que impulsa o processo de inovação de impacto e transformação digital. A FABWORK é membro Intel AI Builders, ecossistema de empresas selecionadas pela Intel Corporation para acelerar o desenvolvimento de tecnologias com IA. Em 2022, a FABWORK abriu escritório residente do Inovabra habitat: Rua da Consolação, 2302 – Consolação, São Paulo – SP, CEP: 01301-000.

 

 

 

Dica de material: acesse ao lado o e-book “Cultura de dados na prática”, produzido pela FABWORK que mostra o case da Leroy Merlin e, assim a partir deste conteúdo, você irá aprender a transmitir e trabalhar com ciência de dados integrada em todos os eixos do seu negócio. Enfim, os produtos de formação da FABWORK seguem como foco: entregar de forma estruturada uma gama de conhecimentos sobre dados, que é fundamental para defender na prática como é possível, mesmo sem o conhecimento em linguagens de programação, realizar análises importantes e imprescindíveis para o processo de tomada de decisão. Portanto, a FABWORK foi lançada para ser credora da certeza que a IA deixará de ser entendida como algo complexo e encarada como parte da vida das pessoas através da descoberta de padrões que permitam análises preditivas sobre comportamento, previsibilidade e geração de insights, quer no campo da melhoria de diagnósticos médicos, da possibilidade de descobertas de demanda para lançamento de novo produtos, além de detecção de anomalias e riscos, informações falsas, e tantos outros desafios do cotidiano.

 

Case da FABWORK: VITEC – solução para a VITRIUM, baseada em Cabedelo (PB), que procurou FABWORK com um problema: a comunicação lenta entre vidraceiros e a fábrica. Por meio do Data-Digital Design Sprint, idealizamos juntos uma aplicação mobile (móvel – via aplicativo híbrido em Android e iOS) para a interação com o vidraceiro, monitorado pela VITRIUM via um sistema desktop para controle dos dados de pedidos, compras e interações do vidraceiro com a fábrica. A aplicação permite que hoje a VITRIUM obtenha o ganho de escala, a diminuição de perdas e atrasos e os pagamentos, agilizados com todo o ciclo, cenário e atores plenamente atendidos.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp