Brasil

Rússia notifica todos os países sobre ajuda militar à Ucrânia

O jornal The Washington Post informou nesta sexta (15) que a Rússia enviou nota aos EUA

Sputnik – A Rússia enviou uma nota sobre o fornecimento de assistência militar à Ucrânia a todos os países, incluindo os Estados Unidos, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, à Sputnik Mundo, nesta sexta-feira (15).

O jornal The Washington Post informou nesta sexta (15) que a Rússia enviou tal nota aos EUA.

“Sim, nós enviamos”, declarou Zakharova, acrescentando que essas notas foram enviadas “para todos” os países.

De acordo com o diário, o documento, intitulado “Sobre as preocupações da Rússia no contexto do fornecimento maciço de armas e equipamentos militares ao regime de Kiev”, foi escrito em russo com uma tradução fornecida, e foi encaminhado ao Departamento de Estado pela Embaixada da Rússia em Washington.

“Pedimos aos Estados Unidos e aos seus aliados que parem com a militarização irresponsável da Ucrânia, que implica em consequências imprevisíveis para a segurança regional e internacional”, diz o comunicado.

Na quarta-feira (13), os Estados Unidos anunciaram o envio de uma nova remessa de material bélico à Ucrânia.

O farto pacote de armamentos inclui 18 sistemas de artilharia Howitzer de 115 mm e 11 helicópteros de transporte Mi-17, como parte da mais recente ajuda do governo de Joe Biden.

Também estão inclusos 40 mil projéteis, 200 veículos M113, 300 drones Switchblade (armas de guerra também conhecidas como “kamikaze”) e 500 mísseis antitanque Javelin, capazes de perfurar veículos blindados.

Trata-se da primeira remessa a incluir sistemas de artilharia Howitzer para a Ucrânia, entregue especificamente a pedido do governo do presidente ucraniano, Vladimir Zelensky, segundo informou o porta-voz do Pentágono, John Kirby, durante uma coletiva de imprensa na quarta-feira (13). Além disso, os EUA incluíram radares de contra-artilharia TPQ-36.

Ambos os equipamentos exigem um treinamento dos soldados ucranianos a fim de utilizá-los, acrescentou Kirby.

“Prevemos que alguns desses itens exigirão algum treinamento adicional para os ucranianos. Os sistemas que provavelmente vão levar a isso são os sistemas de artilharia Howitzer, os radares de contra-artilharia TPQ-36. Não são muito difíceis de operar, mas não são itens que eles [ucranianos] tenham em seu inventário”, declarou ele.

O anúncio foi antecipado na terça-feira (12) pela mídia. São mais 750 milhões de dólares (R$ 3,5 bilhões, aproximadamente) em assistência militar à Ucrânia, disseram duas autoridades norte-americanas à agência Reuters.

De acordo com a publicação, o equipamento será financiado por meio da Autoridade de Saque Presidencial (Presidential Drawdown Authority, PDA, em inglês), que permite ao presidente autorizar a transferência de artigos e serviços sem a aprovação do Congresso em resposta a uma emergência.

Auxílio do Reino Unido à Ucrânia

Na visita de Boris Johnson a Kiev para se reunir com o presidente ucraniano, Vladimir Zelensky, o premiê prometeu que forneceria à Ucrânia 120 veículos blindados. O treinamento para o uso desses veículos será no Reino Unido.

A informação foi dada pelo ministro das Forças Armadas britânicas, James Heappey, em entrevista à rádio LBC na terça-feira (12). Heappey observou que os soldados serão treinados para dirigir e operar veículos blindados que Londres fornecerá a Kiev.

No total, 120 veículos blindados estão em processo de preparação, e as tropas ucranianas que os operarão chegarão ao Reino Unido nos próximos dias.

Na semana passada, soube-se que o governo de Boris Johnson fornecerá um pacote adicional de ajuda militar à Ucrânia de mais de US$ 130 milhões (R$ 607 milhões) em meio à operação militar da Rússia. Além disso, o premiê prometeu “apoio inabalável” a Kiev e concordou fornecer veículos blindados e novos sistemas de mísseis antinavio.

Em 25 de março, o chefe da Diretoria de Operações Militares do Estado-Maior da Rússia, Sergei Rudskoi, afirmou que o Ministério da Defesa russo estava monitorando as declarações de “alguns países” sobre a possível entrega de aeronaves e sistemas de defesa antiaérea à Ucrânia. “Não vamos ignorá-los”, alertou.

 

*Brasil247


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp