Pernambuco

Terceiro dia seguido de chuvas fortes no Grande Recife causa alagamentos e complica o trânsito

Em diversos pontos da capital pernambucana e em Paulista e Jaboatão dos Guararapes, ruas ficaram alagadas e causaram transtornos para moradores nesta quarta-feira (11).

 

O terceiro dia seguido de chuvas fortes no Grande Recife provocou transtornos para a população, como alagamentos em ruas e avenidas e trânsito complicado em vários municípios nesta quarta-feira (11). Vias ficaram alagadas em diversos pontos da capital pernambucana e de cidades como Paulista Jaboatão dos Guararapes.

Na terça-feira (10), a Agência Pernambucana de Águas e Climas (Apac) tinha renovado o alerta de chuvas com intensidade moderada na Região Metropolitana e na Zona da Mata até esta quarta. Esse maior volume de chuvas no Grande Recife é devido a um fenômeno provocado por um canal de umidade que favorece a ocorrência de precipitações no leste de Pernambuco.

No balanço de chuvas divulgado às 9h desta quarta, a Defesa Civil do Recife informou que o acumulado de precipitações das últimas 12 horas ultrapassou os 150 milímetros. O volume foi maior que a média histórica prevista para o mês de agosto, que é de 213,4 milímetros.

De acordo com a gestão municipal, 19 chamados para pedidos de vistoria e solicitações de lonas plásticas foram registrados entre a noite da terça e a manhã desta quarta.

Segundo a Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU), 150 agentes e 165 orientadores de trânsito foram designados para atuar nas ruas da capital. Entre as 20h da terça e as 8h da quarta, 22 problemas foram registrados em semáforos. Três deles foram resolvidos e 19 estavam em manutenção, até a última atualização desta reportagem.

A prefeitura de Olinda informou, por meio de nota, que fez 15 colocações e reposições de lonas em barreias e que seis equipes estão nas ruas. Não havia desabrigados até então.

Segundo a CTTU, foram registrados, ao menos, quatro pontos de alagamentos que prejudicaram o trânsito no Recife nesta quarta: Estrada dos Remédios e Rua Acre, no bairro de Afogados, na Zona Oeste; Largo do Cabanga, na Zona Sul; e Praça Guilherme Pinto, no bairro do Derby, no Centro.

Além disso, desde o início da manhã desta quarta, a Rua Imperial, localizada no bairro de São José, na área central do Recife, estava alagada, causando dificuldade para os motoristas e pedestres. A situação no local era a mesma da terça.

Um alagamento também foi registrado na Avenida Sul, também no bairro de São José. Para poder passar pelo local, os motoristas precisaram reduzir a velocidade dos veículos.

Em Paulista, várias ruas estavam alagadas no início da manhã desta quarta. Um morador que se identificou apenas como Nelson contou que a Rua São José da Coroa Grande, em Pau Amarelo, tem constantemente o problema de falta de escoamento. Ele disse que, nos últimos meses, mais de 20 veículos perderam as placas na via inundada.

“Piorou bastante esse ano. É um descaso muito grande da administração pública com os moradores. Meu carro fica do lado de fora, na outra rua, porque não tem como entrar em casa. Ontem mesmo teve uma moto que ficou aqui dentro do buraco”, relatou.

Outro morador identificado apenas como Everaldo contou que até mesmo o caminhão de lixo tem dificuldades para acessar o local. “Entra político e sai político e nossa situação é essa aqui. Até para recolher o lixo é difícil, o caminhão mal consegue chegar nesses dias de chuva, a gente fica ilhado”, disse.

No bairro do Janga, o advogado Anderson Marques gravou a situação da Rua José Francisco de Santana, que também teve alagamentos.

“Ontem já estava ruim, mas, durante a madrugada, começou a piorar. Toda a rua está cheia de água e não conseguimos mais sair de casa, inclusive pelo medo da água entrar e tomar tudo”, afirmou o morador.

Em Jaboatão dos Guararapes, no bairro de Jardim Piedade, uma moradora que preferiu não se identificar afirmou que não consegue sair do condomínio onde mora desde a terça-feira.

“A água está na altura do joelho, não tem como sair de casa. Os vizinhos que conseguiram foi porque tiveram coragem de se molhar mesmo. Motorista de aplicativo não aceita corrida para cá também, porque, se entrar na rua, o carro inunda”, declarou.

Ainda em Jaboatão, os dois sentidos da pista da BR-101 ficaram alagados no Km 85,8 da rodovia federal. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou que um engarrafamento se formou no local, a partir do Km 84, no sentido Cabo de Santo Agostinho.

Deslizamento de barreira

Na capital pernambucana, um deslizamento de barreira atingiu seis casas na terça-feira e deixou três pessoas feridas. Na manhã desta quarta-feira, moradores do local contaram que seguem assustados, já que a chuva não deu trégua (veja vídeo acima).

“A gente não pode ouvir o barulho da chuva que já fica com medo. A Defesa Civil mandou colchão para a gente, cestas básicas, e disseram para irmos nos inscrever no auxílio-moradia”, afirmou a dona de casa Ana Graça, que teve a residência atingida pelo deslizamento.

Defesa Civil

As equipes da Defesa Civil do estado permanecem em alerta 24 horas e podem ser acionadas por meio da Central de Operações pelos telefones 199 e (81) 3181-2490.

O Corpo de Bombeiros pode ser acionado pela população em caso de emergência, pelo telefone 193. Confira os números da Defesa Civil disponibilizados por município:

  • Recife: 0800.081.3400
  • Olinda: 0800.281.2112
  • Jaboatão dos Guararapes: (81) 3461.3443 e (81) 99195.6655
  • Paulista: 153
  • Abreu e Lima: (81) 99933.6380
  • São Lourenço da Mata: (81) 98338.5407
  • Cabo de Santo Agostinho: 0800.281.8531
  • Ipojuca: 0800 281 0620
  • Igarassu: (81) 99460-9073

 

 

g1pe


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp