Rio Grande do Norte

Tribunal de Justiça dá posse a 40 novos juízes

Os 40 novos juízes substitutos do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte serão empossados hoje (15), em sessão solene realizada às 17h, na Escola da Magistratura do RN (Esmarn), presidida pelo desembargador Claudio Santos. A nomeação dos novos magistrados é classificada pelo presidente do TJRN como o momento mais importante do Judiciário nos últimos anos.

Os internautas poderão acompanhar a solenidade de posse ao vivo pelo site do TJRN  (www.tjrn.jus.br). A cobertura do evento será feita também por meio das redes sociais, com informações nos perfis do TJRN no Twitter, Facebook e Instagram. Cerca de 400 pessoas entre membros do Judiciário, representantes do Ministério Público, Ordem dos Advogados e familiares dos novos magistrados são esperadas no evento.

“Essa era uma necessidade que vinha se arrastando há anos. Teremos uma melhoria sensível no número de processos julgados”, ressalta o desembargador Claudio Santos. Quando assumirem suas comarcas, os novos juízes irão zerar o déficit existente nas comarcas do interior do RN. Até então, 35 das 65 comarcas potiguares estão sem juízes titulares. O concurso público para ingresso na magistratura foi iniciado em 2012 e contou com 4.462 candidatos inscritos.

Economia
O desembargador Claudio Santos destacou nesta quinta-feira (14) que a nomeação de 40 novos juízes irá reduzir ainda mais os gastos do Poder Judiciário potiguar com diárias. As comarcas sem juiz titular geram a necessidade de deslocamento de juízes de outras unidades, substituições, o que acarretava maiores despesas à Justiça Estadual.

“Em 2015 comparando-se com 2014, conseguimos reduzir os gastos com diária em 48% e agora com os novos magistrados, vamos diminuir em mais 50% do montante atual, os valores com custos relacionados a deslocamento de magistrados”, estima o presidente do TJRN.

Formação
Após tomarem posse, os 40 novos juízes da Justiça Estadual passarão pelo Curso de Formação Inicial de Magistrados, realizado pela Esmarn, com duração de quatro meses. O curso objetiva o desenvolvimento de conhecimentos, habilidades e atitudes minimamente suficientes ao pleno exercício da jurisdição, focando aspectos técnico-jurídicos, gerenciais ou deontológicos, com eixos teóricos e práticos.

 


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você