Política

Vacinação: Bolsonaro diz que não está havendo morte de crianças que justifique “algo emergencial”

“Não tá havendo morte de criança que justifique algo emergencial”, disse Jair Bolsonaro nesta sexta-feira (24), quando ofereceu um almoço a jornalistas no Palácio da Alvorada. A declaração reforça o que já havia dito o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga – que o número de óbitos de crianças na pandemia não pedia “decisões emergenciais”.

 

“Tá morrendo criança de 5 a 11 anos que justifique algo emergencial? É pai que decide, em primeiro lugar”, declarou Bolsonaro.

 

Em seguida, tentando se esquivar, declarou que não quer determinar nada para o tema. “Se tem um problema na Saúde, vão me culpar. Quando quero dar uma opinião, estou interferindo. Situação minha é complicada”.

 

O Ministério da Saúde confirmou, no entanto, que a vacinação infantil contra a Covid-19 começará no dia 10 de janeiro, porém mediante prescrição médica. Governadores e prefeitos de capitais têm contestado a decisão e dito que não irão obedecer.

 

O Conass – Conselho que representa os Secretários de Saúde – também afirmaram que não irão exigir prescrição médica para a vacinação infantil.

Chefe da Anvisa cobra rapidez

O presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, cobrou nesta quinta-feira (23) explicação do governo federal pela demora em vacinar crianças e falou – ao contrário de Queiroga e Bolsonaro – em um número “macabro” de mortes.

 

“Nós temos 301 crianças mortas na faixa de 5 a 11 anos desde que a covid-19 começou até o início de dezembro. Nestes 21 meses, numa matemática simples, nós temos um pouquinho mais de 14 mortes de crianças ao mês, praticamente uma a cada dois dias. Então acho que essa informação à sociedade se faz necessária”, disse em entrevista ao jornal O Globo.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp