Brasil

Votação no Rio começa com paralisação de duas empresas de transportes

Por Cristina Índio do Brasil – Repórter da Agência Brasil – Rio de Janeiro

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Rio de Janeiro determinou a intervenção da Polícia Federal na paralisação dos rodoviários das viações Redentor e Futuro. A paralisação começou na madrugada deste domingo (29).

Segundo o TRE, o movimento atingiu moradores das regiões de Jacarepaguá e da Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio. O tribunal considerou a paralisação ilegal. “Representa grave impedimento e embaraço às eleições. As lideranças do movimento serão responsabilizadas na forma da lei penal. A expectativa é que o funcionamento regular das linhas operadas pelas empresas de ônibus seja normalizado rapidamente”, disse o TRE.

Votação cedo

Na zona eleitoral do Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Rio, na Lagoa, o eleitor que decidiu ir no início do horário de votação no primeiro turno, gostou da experiência e repetiu agora no segundo. “Foi a mesma coisa no primeiro e no segundo turno”, contou José Alves de Lima, de 68 anos. Ao lado dele, dona Marlúcia Amaral, de 66 anos, disse que o horário prioritário para idosos foi uma boa decisão. “Facilitou a nossa vida, principalmente, a gente que é do grupo de risco. Não demorou nem cinco minutos”.

Dona Marlúcia afirmou que no primeiro turno chegou a entrar em uma sala para votar porque recebeu uma informação errada, mas logo tudo foi resolvido. “Da outra vez, fiquei em outra sala porque me deram informação errada, mas depois foi tranquilo. Acho ótimo o atendimento. Tem muita higienização, álcool em gel. Apesar disso trago o meu, disse sorrindo, mostrando o frasco de álcool em gel e completando, que não esqueceu da caneta para assinar. “A gente tem que se prevenir, se cuidar, pensar na gente e no próximo”, completou.

O casal José Leocádio, de 64 anos, e Geralda Lopes Leocádio, de 59, também foi cedo, porque dona Geralda está passando por uma crise de asma. “Viemos cedo porque ela não está muito bem”, contou seu José, acrescentando que a mulher não pôde votar no primeiro turno porque o estado de saúde era mais grave. “No primeiro turno eu vim nesse mesmo horário. Ela não veio, não votou, estava doente. Viemos cumprir as nossas obrigações”.

O taxista Ricardo Martins, de 55 anos foi votar logo depois de fazer uma caminhada na Lagoa, zona sul da cidade. “No primeiro turno fiz a mesma coisa, porque estou caminhando cedo, senão viria um pouco mais tarde, mas é bom vir logo cedo para ficar logo livre”, disse.

Para o taxista, o local em que vota não costuma ter dificuldades. “Aqui nesse colégio eleitoral há várias seções, mas sempre foi tranquilo. Até em outras eleições, em que havia muitos candidatos e demorava mais para se votar, era tranquilo.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você