OPINIÃO: Walter Santos vê o Ceará vencendo o atraso, a desordem, os milicianos e narcotráfico para o bem do Brasil

03/03/2020


O multimidia e analista politico-econômico Walter Santos traz uma leitura atualizada da superação dolorosa do governador do Ceará, Camilo Santana, ao reestabelecer a ordem publica no estado diante do motim de setores da PM sem abrir mão da punição aos excessos ilegais.

Para WS, o desfecho implodiu “o Golpe dentro do Golpe”.

Leia os detalhes:

Camilo Santana implode “Golpe dentro do Golpe” no Brasil e faz do Ceará “CASE” vencendo a desordem, Milicianos e Crime Organizado

2020 ficará marcado como ano decisivo para a consolidação da ameaçada ordem democrática no País com a postura de Gestor incomum, positivamente, do governador do Ceará, Camilo Santana, que com coragem, abrigo legal e determinação implodiu com enfrentamento o Motim de setores da PM como grave problema a se repetir em todos os estados, não fosse sua postura de bravo brasileiro-cearense.

Na essência, apesar dos ventos autoritários e conspiradores em favor de milicianos bancados por Brasília , o caso do Ceará significou à duras penas a superação do “Golpe dentro do Golpe” porque não fosse o apoio dos governadores a Camilo Santana, teríamos inaugurado nova fase do retrocesso institucional no Brasil.


ANTES, O CRIME ORGANIZADO

Como expõe a realidade do Rio de Janeiro, há tempo comandado pelo crime organizado disputando espaços com milicianos poderosos, no Ceará em 2019, exatamente no início do ano, Camilo Santana precisou de mesmo ímpeto legal para bancar a ordem nos presídios enfrentando as lideranças das facções criminosas gerando tumulto em Fortaleza e diversas outras cidades.

Foi um “Deus nos acuda” desafiando a ordem pública brasileira porque não fosse a coragem e determinação do governador o exemplo do Ceará iria pipocar em todos os Estados.

Mas, nesse confronto nefasto, venceu a postura de chefe de Estado singular na Pessoa de Camilo Santana.


A NOVA “GUERRA” GOLPISTA

Ninguém de bom senso ignora a importância das Polícias, em especial a Militar, no contexto da vida social a merecer ajustes e abrigo de melhorias. No caso do Ceará, a ordem imposta por setores da PM extrapolava esta condição pois, mais do que reivindicações merecedoras, queriam tutelar o Estado e fazê-lo refém para sempre.

Com apoio Federal e vacilo intencional do Ministro Sérgio Moro e até do presidente Jair Bolsonaro em determinando momento quando não queria renovar a presença federal no Estado, o motim dos policiais do Ceará se traduziu no mais forte impacto da “nova ordem de cultura miliciana” registrada com clareza sabendo que precisará conviver com reação legal à altura para vingar o Estado Democrático de Direito.


O EXEMPLO A SE SEGUIR

Camilo Santana saiu do episódio como autoridade jovem, capaz e digna sem abrir mão da punição aos excessos de fato cometidos por setores radicais da PM movidos por outros propósitos políticos, bem parecidos e semelhantes à terrível cultura miliciana de invadir propriedades e espaços alheios.

Felizmente, a ordem está restabelecida mostrando a importância do diálogo mas, jamais deixando o Estado refém da triste “nova cultura vigente” em setores da sociedade querendo ganhar tudo no grito.

Democracia, Sempre!


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.