Antônio Campos, da FUNDAJ, diz que legado de Francisco Brennand transcende em singularidade gigante

19/12/2019


Por Walter Santos

– Sua obra, de uma singularidade gigantesca, do tamanho do seu vulto humano e espiritual, será o seu legado às pessoas de todas as épocas e lugares, declarou o presidente da Fundação Joaquim Nabuco, Antônio Campos, analisando a dimensão de Francisco Brennand morto nesta quinta-feira .

– Francisco Brennand: Tudo o que for dito, a partir desta hora em que celebramos uma longa vida dedicada à cerâmica e à escultura. não se dirá jamais, em totalidade, a grandeza desse homem de inesgotável fonte de genialidade, frisou para completar:

– Tudo em Francisco Brennand era genialidade, no que ele dizia nos seus escritos, no que ele fazia na pintura e na cerâmica. Perdemos um dos mais importantes artistas não só de Pernambuco, mas do Brasil. Sua obra, de uma singularidade gigantesca, do tamanho do seu vulto humano e espiritual, será o seu legado às pessoas de todas as épocas e lugares.

Ele completou: “Não se conhece uma só pessoa que tenha visto de perto o que ele construiu na Várzea do Recife, não importa de onde veio, que não tenha recebido o impacto de uma surpresa inexplicável. Ele tinha o dom e a garra do inexplicável. Tudo em Francisco Brennand era novo, solene e perene. Perdi um estimado amigo, tendo estado com ele há pouco”.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.