Sem categoria

Ex-ministro da Justiça: ‘Moro não é suspeito apenas, é suspeitíssimo de manipulação contra Lula’

04/07/2020


247 – Ex-ministro da Justiça do governo Dilma Rousseff, o advogado José Eduardo Cardozo conversou com a TV 247 sobre o julgamento de suspeição do ex-juiz da Lava Jato Sergio Moro, que está prometido para ocorrer ainda neste ano no Supremo Tribunal Federal, além das novas revelações da Vaza Jato. Cardozo relembrou a divulgação ilegal, por parte de Moro, de áudio de uma conversa entre os ex-presidentes Lula e Dilma. Para ele, apenas este fato já é suficiente para declarar Moro suspeito.

“Não é que Sergio Moro é suspeito, ele é suspeitíssimo, ele é ‘suspeitérrimo’ por todo um conjunto de situações que cercam o processo do presidente Lula. Eu posso citar vários fatos. Além da condenação sem prova, além de tudo que aconteceu nesse processo, houve a divulgação daquele áudio indevidamente, contrariamente à lei por Sergio Moro, que foi inclusive objeto de repreensão pelo Supremo Tribunal Federal, e naquele momento ele pediu desculpas. Aquilo é escandaloso. Escândalo um: quando eu faço interceptações telefônicas, pela legislação, se uma conversa entre presidente da República e alguém, no caso o ex-presidente Lula, envolvesse algum crime, imediatamente cessaria a competência de Sergio Moro e ele teria que ter mandado aquilo, em sigilo, ao Supremo Tribunal Federal. Se eventualmente a conversa não envolvesse sigilo, pela lei ele teria que inutilizar a conversa. A única coisa que ele não podia fazer é o que ele fez: divulgar. Um agravante: neste caso específico entre o ex-presidente Lula e a ex-presidente Dilma, já tinha cessado oficialmente, já havia decisão dele sobre a interceptação [das gravações]. Ele nunca poderia ter feito aquilo”, afirmou.

Para o ex-ministro, Moro já tinha a intenção de condenar o ex-presidente Lula mesmo que no processo se encontrassem provas que apontassem para uma decisão contrária. “Já basta esse fato, e eu posso citar muitos outros, como a condução coercitiva do presidente Lula, que foi feita sem nenhuma razão de ser, uma coisa completamente arbitrária, atabalhoada, cinematográfica, um conjunto de situações que mostram a predisposição condenatória para atingir o presidente Lula”.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.