Brasil

Delegada da PF intima Bolsonaro a depor em inquérito que apura ataque hacker ao TSE

O inquérito investiga um ataque hacker efetuado contra o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 2018, no início do processo de apuração das eleições municipais. Bolsonaro utilizou o inquérito para atacar sem provas a segurança do sistema eleitoral brasileiro

 

247 – A delegada Denisse Ribeiro, da Polícia Federal, intimou esta manhã (14) Jair Bolsonaro a prestar depoimento num inquérito sobre vazamento de dados sigilosos da PF. A informação original é da jornalista Camila Matoso, do Painel da Folha de S. Paulo. O inquérito no qual Bolsonaro está novamente intimado a depor à Polícia Federal investiga um ataque hacker efetuado contra o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 2018, no início do processo de apuração das eleições municipais.

Bolsonaro utilizou o conteúdo do inquérito em uma entrevista em 4 de agosto para atacar sem provas a segurança das urnas eletrônicas e do sistema eleitoral brasileiro. A apuração foi solicitada pelo TSE ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que entendeu que o caso se relacionava com o inquérito das fake news e determinou investigação.

A delegada Denisse Ribeiro é vista dentro da corporação “Polícia Federal” como inimiga do chefe do governo federal e adversária interna do ministro da Justiça, Anderson Torres. Em 16 de agosto deste ano, Torres ordenou a retirada da delegada Denisse das investigações sobre o envolvimento de bolsonaristas e do “gabinete do ódio” do Palácio do Planalto nos atos anti-democráticos que ameaçavam o Supremo Tribunal Federal e o Tribunal Superior Eleitoral e seus ministros. A delegada também foi responsável pelas apurações da “Operação Acrônimo” desencadeadas como uma sub-operação da Lava Jato em Minas Gerais e que visava prender o então governador mineiro Fernando Pimentel. Ao fim das apurações da Acrônimo, Pimentel foi inocentado de todas as acusações. Contudo, a gestão dele foi inviabilizada politicamente pelas ações policiais e isso comprometeu diretamente a campanha dele pela reeleição.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) não tem nenhum papel nesse inquérito em que Bolsonaro está agora intimado a depor pela delegada Denisse. O ministro Alexandre de Moraes, do STF, determinará agora a forma de depoimento de Bolsonaro e o dia, hora e local desse novo depoimento em que ele terá de explicar como recebeu informações vazadas de um procedimento sigiloso da Polícia Federal. Em última instância, caso seja condenado nesse processo, o presidente da República pode – em tese – até ficar inelegível nas eleições de 2022. É claro que falar isso agora é pôr as consequências antes dos fatos. Mas, essa é a pena política máxima desse processo.

*Brasil247


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp