Brasil

E eis que governadores cumprem papel moderador diante de graves atos para manter a Democracia

Enfim, diante de tantos fatos repetidamente graves reproduzidos pelo Governo Federal nos últimos tempos ameaçando o Estado Democrático de Direito no País, eis que a responsabilidade civil e a competência dos governadores de saberem mediar crises se impõe nesta segunda-feira para a construção de medidas que reforcem e garantam a Democracia frente aos perigos atraídos pelo presidente Jair Bolsonaro.

De fato, o encontro tem um caráter de alta relevância nesta fase da conjuntura brasileira porque é chegada a hora de se selar novo Pacto diante de graves situações na gestão de problemas a exigir sintonia entre as instâncias federal, estadual e municipal – algo que há tempo precisa acontecer de fato como solução e harmonia.

Sem contar, o que se expõe mais urgente, ou seja, a reafirmação de convivência civilizada e à base da Constituição  entre os Poderes frente às atitudes do Presidente e sua claque ameaçando instâncias fundamentais, a exemplo do Judiciário por cumprir sua premissa de zelo constitucional.

Ao que parece, cada vez mais o presidente age com ataques continuados sem amparo legal ao ter convicção e se descobrir diante de vários crimes de responsabilidade ameaçando seu mandato presidencial.

FATO MUITO GRAVE

As informações reproduzidas pelo ex-Ministro da Defesa e Segurança Nacional, Raul Julgmann, de que a última crise  entre os comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica com demissão se deveu à postura em defesa da Democracia não aceitando ordem do presidente Bolsonaro de mandar estilhaçar os vidros do STF com sobrevôo de Caças significam uma grave constatação de até onde a (im)postura do Líder do Executivo vive a ameaçar a vida institucional do Brasil.

Ataques dessa natureza não podem se repetir, posto que a sociedade brasileira abriga olhares diferentes sobre nossa conjuntura, mesmo assim o princípio da Democracia tem amparo majoritário e precisa se manter firme em qualquer tempo.

 

A rigor, a possibilidade de Impeachment é outro aspecto e se deve ao contexto da vida institucional por conta de problemas causados pelo próprio presidente da República, que a eles precisa responder.

 

O PAPEL ESPECIAL DO CONSÓRCIO

Na conjuntura de retrocessos nonPais se faz importante reconhecer a articulação dos 9 estados em criar o Consórcio Nordeste como modelo de gestão comum a todos produzindo processos de criatividade e resultados.

Na próxima quarta-feira, por exemplo, os governadores consolidam programa que vai amparar crianças e jovens órfãos de pais que faleceram vítima de COVID.

Além de gestores qualificados são também firmes na defesa do Estado Democrático de Direito com inovação.

Em síntese, Democracia sempre.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp