Bahia

Ialorixá denuncia escola em Salvador por impedir que adolescente de 13 anos entrasse no local com roupa religiosa

De acordo com a Ya Ivone Maria, que é ialorixá da adolescente, caso aconteceu na manhã da última quarta-feira (21). Júlia Almeida está em ‘regime religioso’ e foi iniciada no candomblé no dia 5 de julho.

 

A ialorixá Ya Ivone Maria denunciou que a filha de santo dela, Júlia Almeida Lima, de 13 anos, foi impedida de entrar na Escola Municipal Arx Tourinho, que fica na Ceasa, em Salvador, por estar vestida com roupas ligadas à sua religião, o candomblé.

De acordo com a Ya Ivone Maria, que é ialorixá da adolescente, o caso aconteceu na manhã da última quarta-feira (21). Júlia Almeida está em “regime religioso” e foi iniciada no candomblé no dia 5 de julho.

“Na quarta-feira pela manhã, ela foi barrada no colégio, ela está em regime religioso ainda, então ela estava com as vestes, as cordas no pescoço, quelê, e ela foi barrada na porta do colégio”, contou.

Segundo Ya Ivone Maria, a adolescente também estava com um banco, chamado de apoti, porque ela não pode sentar em cadeiras.

“O porteiro não deixou que ela entrasse, porque ela estava vestida dessa maneira e estava com um banquinho, que a gente chama de apoti”.

“Ela levou o banquinho porque ela não pode sentar em cadeira. Ela levou o banquinho dela para assistir aula e ele não deixou ela entrar”, explicou.

A ialorixá de Júlia Almeida contou que a mãe da vítima tentou justificar, mas os funcionários não deixaram que ela entrasse na escola e assistisse a aula.

“A mãe da aluna pediu para falar com a diretora da escola e ela de lá de dentro gritou: ‘Não, manda ela ir para casa, que eu não vou botar falta não’. Fez pouco caso com a criança e Júlia só tem 13 anos”, lamentou.

Após o caso, a ialorixá registrou queixa por racismo religioso na delegacia virtual. A Polícia Civil vai investigar o caso.

Em nota, a Secretaria Municipal da Educação (Smed) informou que está ciente do ocorrido na Escola Municipal de Nova Esperança Professor Arx Tourinho, situada na Cepel e não coaduna com atitudes de intolerância ou indiferença como essa.

De acordo com a Smed, a instituição está tomando as devidas providências, com o objetivo de reforçar as ações de combate à intolerância religiosa.

O órgão de educação informou que na manhã desta sexta-feira (23) a SEMUR realizou uma reunião na referida escola, com a presença de representantes da Smed, da Gerência Regional de Educação de Itapuã (GRE- Itapuã), do Conselho Municipal das Comunidades Negras (CMCN), Grupo Gestor da Escola e demais colaboradores.

No encontro destacaram a necessidade de reforçar ações afirmativas no intuito de desenvolver uma consciência crítica, de respeito e de valorização de ações éticas para combater o racismo, a intolerância religiosa e outras formas de discriminação e violações de Direitos Humanos de qualquer natureza, com a capacitação de funcionários e demais profissionais de toda a Rede Educacional.

A Secretaria informou que já desenvolve ações em parceria com as escolas relacionadas ao combate ao Racismo Institucional realizadas pelo Núcleo de Políticas Educacionais das Relações Étnico-Raciais (NUPER) da (SMED), com base nas leis instituídas pelo Governo Federal, Estadual e Municipal para a transformação social com a promoção da igualdade racial.

Vergonha de estudar e choro

 

Após ser impedida de entrar na escola em que estudava, Júlia Almeida tem relatado que está constrangida e não quer voltar ao local. Os familiares da adolescente resgistraram que a pressão dela atingiu 15×12.

“Isso constrangeu muito. Agora ela está com medo de ir para o colégio pela vergonha que ela passou e de os coleguinhas começarem a chamar ela de macumbeira”, relatou YA Ivone Maria.

“Ela está muito chorosa, uma criança de 13 anos e a pressão foi para 15.12 devido o constrangimento que ela passou. Ontem ainda estava e a gente está tentando amenizar a situação com chá, porque ela é uma criança e a gente não pode dar um medicamento forte”.

A ialorixá de Júlia Almeida contou que a diretora da escola chegou a pedir desculpas pela situação, mas não fez ações para que a aluna assistisse as aulas.

“Por volta de umas 11h30 foi quando eu cheguei no colégio, a diretora disse que não sabia que o porteiro tinha feito isso, me pediu mil desculpas e por isso ficou”, contou.

“Não falou entre na escola ou volte a estudar, assim ficou. Eu achei um descaso, que ela fez pouco caso”, relatou Ya Ivone Maria.

Iniciação de Júlia

A adolescente foi iniciada no candomblé em 5 de julho e por isso está em “regime religioso”, onde cumpre alguns rituais específicos da religião.

“Júlia foi iniciada agora no dia 5 de julho e ela ainda está com o quelê no pescoço. Na minha casa, a pessoa quando é iniciada, passa três meses com a joia do santo no pescoço e um ano vestindo branco”, contou.

“Ela está nesse processo ainda. Ela tem um mês que o santo deu nome, que teve a festa do orixá. Ela continua com o quelê no pescoço, porque é o procedimento da roça”.

 

 

*G1BA


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp