Sergipe

Belivaldo Chagas divulga estudo de impacto da pandemia sobre a economia no Estado

Os números demostram uma desaceleração da arrecadação em Sergipe, com impactos mais fortes a partir da segunda quinzena de março, mantendo-se em queda na primeira semana de abril.

16/04/2020


REVISTA NORDESTE – O governador Belivaldo Chagas tem demonstrado as dificuldades que o Estado de Sergipe passa durante o enfrentamento da pandemia do novo Coronavírus (Covid-19). Por isso, tem acompanhado detalhadamente os dados da economia ao longo das primeiras semanas de isolamento social no estado.

Os números estão sendo disponibilizados através de um estudo da Secretaria de Estado da Fazenda (SEFAZ) sobre o comportamento dos principais segmentos da economia sergipana diante da pandemia do Covid-19 e mostra uma desaceleração da arrecadação em Sergipe, com impactos mais fortes a partir da segunda quinzena de março, mantendo-se em queda na primeira semana de abril.

O Boletim Semanal de Impacto na Economia Sergipana, publicado nesta terça-feira (14), utiliza como referência a emissão de notas fiscais no estado, fazendo uma análise comparativa dos números entre a primeira e a segunda quinzena de março e ainda nos primeiros oito dias de abril. Na publicação, a avaliação também é realizada sobre setores específicos, como combustíveis, medicamentos e EPIs relacionados à prevenção ao Coronavírus, abrangendo ainda outros setores da economia.

O secretário de Estado da Fazenda, Marco Antonio Queiroz, frisa que o estudo segue a diretriz determinada pelo governador Belivaldo Chagas de dar transparência aos dados relativos à arrecadação, especialmente neste contexto de crise. “Nas análises realizadas, a primeira semana de abril iniciou em queda de -20,14% no valor das Notas Fiscais Consumidor Eletrônicas (NFC-e) emitidas e -27,88% no número de notas, em comparação ao mesmo período do mês de março. Essa queda foi ainda maior no final de março, registrando -23,32% no valor das NFC-e emitidas e -26,29% na quantitativo de documentos fiscais. Ainda que o mês de abril tenha números melhores, apresenta-se bem abaixo do cenário anterior às medidas de isolamento social”, explica o secretário Marco Queiroz.

Combustíveis

No segmento de venda de combustíveis, o comportamento é semelhante: forte queda na segunda quinzena de março e recuperação tímida na primeira semana de abril, na comparação com a primeira semana do mês de março. Ainda como referência as notas fiscais eletrônicas de consumidor (NFC-e) emitidas, o valor médio diário das vendas dos principais combustíveis saiu de R$ 3.915.940,99, na última semana de março, para R$ 4.712.014,23, na primeira semana de abril, representando um aumento de 20,33%.

Porém, ao se comparar a primeira semana de março quando ainda não havia isolamento social em Sergipe, com a primeira semana de abril, percebe-se que houve uma redução de 31,59% no valor médio diário de vendas. “Em relação aos combustíveis, observamos que o volume médio diário vendido na última semana de março totalizou 971.724,56 de litros, enquanto na primeira semana de abril esse quantitativo foi maior: 1.188.377,63 litros (+22,30%). Quando comparamos com a primeira semana de março, quando foram comercializados 1.606.016,07 de litros, a redução foi de -26,00%”, informa Queiroz.

Kits de prevenção

Outro foco de análise do Boletim Semanal de Impacto na Economia Sergipana é em relação aos itens de prevenção ao Coronavírus, especialmente o álcool em gel. O estudo revela que o consumo e o preço do álcool em gel a 70% (unidade de 500ml) aumentaram significativamente em comparação ao mesmo período de 2019. O produto chegou a custar, em média, no final do mês de março e início de abril, cerca de cinco vezes mais que no mesmo período de 2019, com um consumo que saltou de cerca de 3,3 mil para 31 mil unidades, significando um aumento de quase 1.000%.

O estudo na íntegra está publicado no site da Sefaz (sefaz.se.gov.br), sendo atualizado semanalmente. Confira, através do link  (clique aqui).


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.