Nordeste

Governadores do Nordeste pedem à Anvisa documentos que embasaram decisão de negar importação da Sputnik V

 A Procuradoria Geral da Bahia, que representa os nove estados do Consórcio do Nordeste, enviou nesta quarta-feira (28) um ofício solicitando à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) todos os documentos que embasaram a decisão do órgão de negar a importação da vacina russa contra a Covid-19, a Sputnik V.

“Viemos, em face da decisão da Diretoria Colegiada desta Agência Reguladora, proferida no processo em epígrafe e que negou a autorização de importação excepcional da vacina Sputnik V, solicitar a disponibilização de acesso integral aos autos administrativos, especialmente à documentação analisada e que embasou a emissão de apresentações técnicas”, diz o ofício.

A conta oficial da Sputnik V publicou uma nota reafirmando a eficácia da vacina e respondendo à decisão da Anvisa, vista amplamente como motivada por interesses políticos.

“Os dados repassados pelo Instituto Gamaleya, pela Agência Reguladora da Rússia e o Fundo Soberano Russo com o Ministério da Saúde da Rússia apontam que há questionamentos da Anvisa que eles dizem não ter recebido na documentação a eles apresentadas. Além disso, a Anvisa também cita ausência de informações e documentos que, segundo os russos, já estão na Anvisa, que recebeu cerca de 16 mil páginas. Então, queremos saber qual documentação foi a base desse relatório que negou a importação da vacina”, disse Wellington Dias, governador do Piauí e presidente do Consórcio do Nordeste, à coluna de Bela Megale, no Globo, que revelou a informação.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp