Internacional

Peru e Equador vão às urnas neste domingo para escolher novos presidentes

 

Peru e Equador vão às urnas neste domingo (11) para escolher novos presidentes<span;>EFE / Luca Piergiovanni / 11.04.2021

Os peruanos e os equatorianos vão às urnas neste domingo (11) para eleger novos presidentes. Este já é o segundo turno no Equador, mas, no Peru, há chances de que a disputa se arraste até 6 de junho, quando está marcado o segundo turno.

O pleito ocorre em meio ao agravamento da pandemia de covid-19 e aumento do número de mortes e casos da doença, além da crise econômica.

Peru

São 18 candidatos na disputa, ainda assim, até o final da campanha, a população peruana demonstrou apatia pelo pleito, em um período de cinco anos marcado por agitações, e 28% não sabiam em quem votar.

Sem partidos políticos fortes, há 10 candidatos de direita ou centro-direita, quatro de esquerda, três nacionalistas e um de centro. Nenhum deles ultrapassa 10% da intenção de voto. Se isso se confirmar, haverá segundo turno no dia 6 de junho.

Os sete candidatos com mais chances de votação são: o ex-legislador Yonhy Lescano (centro à direita), a antropóloga Verónika Mendoza (esquerda), o economista Hernando de Soto (direita), Keiko Fujimori (direita populista), o ex-jogador de futebol George Forsyth (centro direita), professor e sindicalista Pedro Castillo (esquerda radical) e empresário Rafael López Aliaga (extrema direita).

Nas eleições, o Congresso unicameral de 130 membros também será renovado.

Votação à distância

O novo presidente deve tomar posse em 28 de julho, dia em que o Peru comemora o bicentenário de sua independência, e tem o desafio de superar a emergência sanitária, a recessão econômica e a crise política em um país de 33 milhões de habitantes.

Os centros de votação abrem às 7h e funcionarão por 12 horas, quatro a mais que o normal, para receber os votos de 25 milhões de peruanos, que viram a aprovação de quatro presidentes desde 2018.

O ONPE (Escritório Eleitoral Nacional) instalou 11.402 centros de votação, três vezes mais do que o habitual, para tentar evitar aglomerações.

Equador

A corrida para a eleição presidencial deste domingo (11) no Equador foi marcada pela campanha de difamação nas redes e polarização entre esquerda e direita. O país tem 17,4 milhões de habitantes.

O economista Andrés Arauz, pupilo do ex-presidente socialista Rafael Correa (2007-2017), e o ex-banqueiro conservador Guillermo Lasso se acusaram de promover a desinformação nas eleições que vão definir o sucessor de Lenín Moreno.

Arauz tem 36 anos e foi o vencedor do primeiro turno com 32,72% dos votos. Já o conservador, de 65 anos, conquistou apoio de 19,74% da população.

 

Do R7, com informações da AFP

 

http://revistanordeste.com.br/peru-e-equador-vao-as-urnas-neste-domingo-para-escolher-novos-presidentes/


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp