Brasil

Políticos reagem e opinam sobre prisão do deputado federal Daniel Silveira

Após decisão do ministro Alexandre de Moraes, a Polícia Federal prendeu, na noite desta terça-feira (16), o deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), que divulgou vídeo com ameaças ao Supremo Tribunal Federal (STF).

O caso, agora, será analisado pelos plenários da Câmara dos Deputados e do STF para decidir se o parlamentar seguirá detido.

Logo após a prisão, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) e o vice da Casa, Marcelo Ramos (PL-AM), se manifestaram sobre o caso. Pediram tranquilidade e se compremeteram a analisar a situação de Silveira se guiando pela Constituição.

Nas primeiras horas após a prisão, sobretudo políticos da oposição do governo federal foram às redes sociais para se manifestar e condenar as falas do deputado.

O senador Alessandro Vieira (PPS-RS) criticou as afirmações de Silveira, mas também questionou a decisão do STF. Vieira considerou que “não se deve admitir que, a pretexto de combater abusos verbais, se cometa grave abuso judicial”.

“Mais uma vez Moraes rasga a lei que jurou defender”, acrescentou o senador.

Conheça outros  comentários divulgados por políticos nas horas seguintes à prisão de Silveira:

Arthur Lira, deputado federal (PP-AL) e presidente da Câmara dos Deputados

Como sempre disse e acredito, a Câmara não deve refletir a vontade ou a posição de um indivíduo, mas do coletivo de seus colegiados, de suas instâncias e de sua vontade soberana, o Plenário.

Nesta hora de grande apreensão, quero tranquilizar a todos e reiterar que irei conduzir o atual episódio com serenidade e consciência de minhas responsabilidades para com a Instituição e a Democracia.

Para isso, irei me guiar pela única bússola legítima no regime democrático, a Constituição. E pelo único meio civilizado de exercício da Democracia, o diálogo e o respeito à opinião majoritária da Instituição que represento.

Marcelo Ramos, deputado federal (PL-AM) e vice da Câmara dos Deputados

Sobre a prisão do deputado Daniel Silveira. Por força do artigo 53, parágrafo 2o, da CF, os autos devem ser encaminhados para a Câmara em 24h para que está, por maioria, decida sobre a manutenção ou não da prisão. Temos o dever de aguardar essa decisão colegiada.

É a Constituição que vincula os limites da atuação dos deputados e também das decisões judiciais excepcionalíssimas que permitem a prisão de um deputado em flagrante. É com a Constituição que vamos enfrentar esse episódio.

O momento exige, acima de tudo, serenidade!

As declarações são absolutamente reprováveis com o Judiciário que tem seus defeitos, mas que simboliza a Democracia em conjunto com o Legislativo e o Executivo, esses também imperfeitos. A questão a ser debatida é sobre a caracterização do flagrante que justificou a prisão.

Prudência, serenidade e debate técnico sobre o flagrante é o que deve nos orientar nesse momento. A despeito dos ânimos exaltados, o julgamento não deve ser sobre quem falou e o que falou, mas sobre a existência ou não do flagrante. Lembremos que essa decisão gerará precedente.

Flávio Dino, governador do Maranhão (PCdoB)

Sobre prisão de deputado, importante notar que a imunidade parlamentar não é absoluta, conforme ampla jurisprudência. IMUNIDADE NÃO É IMPUNIDADE. Há um evidente ataque de milícias contra a democracia, que deve ser repelido. O STF não pode ser coagido na sua missão constitucional.

Rogério Carvalho, senador (PT-SE)

São ataques inomináveis a ministros de uma instituição democrática. Com grave incitação de violência! Sem falar na reincidência de crimes se valendo da imunidade parlamentar. Rasgar a placa de Marielle reflete um ódio que não cabe mais ao Brasil. Daniel Silveira foi longe demais!

Randolfe Rodrigues, senador (Rede-AP)

A democracia não pode tolerar quem atenta contra ela. Liberdade de opinião não pode ser confundida com incitação ao crime que é punível conforme artigo 286 do Código Penal. A REDE subscreverá denúncia ao Conselho de Ética da Câmara.

Alessandro Vieira, senador (PPS-RS)

Não concordo com nenhuma das afirmações do deputado Daniel Silveira, reincidente em atos ofensivos contra pessoas e instituições, mas não se deve admitir que, a pretexto de combater abusos verbais, se cometa grave abuso judicial. Mais uma vez Moraes rasga a lei que jurou defender.

Glauber Braga, deputado federal (Psol-RJ)

O deputado bolsonarista buscou essa exposição. Temos é que cassar o mandato. Só assim terá prejuízo político real. Sobram motivos. Ele sempre ameaça atirar na esquerda. É entender taticamente a disputa momentânea entre direita X extrema-direita e avançar com nossa própria linha!

Marcelo Freixo, deputado federal (Psol-RJ)

Daniel Silveira foi preso em flagrante por ameaçar e incitar a violência contra ministros do STF. O deputado, que quebrou a placa de Marielle nas eleições de 2018 e defende um novo AI-5, é a imagem do banditismo bolsonarista que atenta contra a Democracia e o Estado de Direito.

Paulo Teixeira, deputado federal (PT-SP)

Apologia ao AI-5 e o pedido de fechamento do Supremo são alguns dos crimes que levaram a prisão do Deputado Daniel Silveira. Por esses mesmos crimes o STF deveria pedir também a prisão do presidente da república e do seu filho.

Ivan Valente, deputado federal (Psol-SP)

A impunidade de bolsonaristas facinoras como o Dep Daniel Silveira tem que ter resposta à altura do STF,da Câmara e da sociedade.Ñ venha o Centrão blindar delinquentes no Congresso ,nem o STF pode se acovardar com ameaças de generais golpistas.Cadeia neles!

http://revistanordeste.com.br/politicos-reagem-e-opinam-sobre-prisao-do-deputado-federal-daniel-silveira/


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp